Ativação sem apelação

Está certo que “ativação” é a chave do sucesso de qualquer plano de Marketing Esportivo. Sabe-se também que, geralmente, ela decorre de um objetivo estratégico e serve prioritariamente para gerar valor agregado para as propriedades e patrocínios esportivos

Acontece que recentemente temos visto algumas ações que utilizam o esporte para fins única e exclusivamente comerciais. Até ai OK, já que o Marketing Esportivo – de certa forma – também tem a função de entregar retorno financeiro aos “stakeholders”. E, considerando a atual situação econômica brasileira, é compreensível que se priorize essa busca.

Mas é preciso cuidado para que elas não sejam apelativas e dispersivas. E, como em qualquer situação, o bom-senso deve imperar. Ou alguém acredita que a construtora Tecnisa, que está vinculando a compra de apartamentos na região próxima ao Allianz Parque (novo estádio do Palmeiras), em São Paulo, ao ganho de ingressos para os jogos, venderá algum AP em função deste benefício.

Sinceramente, não acredito que o acesso liberado ao estádio de futebol seja o fator decisivo para alguém investir em um imóvel de alto padrão. E mais, nem sequer consta no rol de considerações levadas em conta por um cliente para fechar o negócio. Simplesmente porque o valor percebido do prêmio não se compara ao valor financeiro desembolsado para a compra de um bem.

Ainda que o cliente seja fanático pelo time.

 

 

5 comments

  1. Boa reflexão, mas esse nivel de agressividade nas ativações, acontecem por que os patrocinados permitem. Afinal, qual patrocinado vai falar não nesse momento de crise que estamos vivendo, com cortes de budget de 50% a 100%. Essas ações trazem uma conversão imediata de lucro, como mesmo disse.
    O problema esta na falta de criatividade para criar essas ações, muitas vezes seguem o padrão apelativo que não vão criar relevancia de marca futuramente, o famoso imediatismo para stakeholders ver e fazer diferença nos numeros de venda do mes.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Concordo com o seu ponto, Rafael. Só não acredito na efetividade pratica da ação. Entendo que o uso do esporte, às vezes, se torna uma boa ferramenta de vendas. Mas há limites. Geralmente, a compra de bens de consumo ou ativos de alto valor financeiro é decidida considerando outros fatores que não a vinculação direta com um prêmio relacionado ao esporte. Acho que há uma disparidade muito grande entre o valor do bem e do prêmio.

      Curtir

      1. Eu também não sou a favor desse método de trabalho, mas é a realidade do mercado. Prefiro realizar um ativação com consistência e tempo, alinhado à outras ações de digital. Principalmente, ações que gerem ocasione lembrança de marca futuramente, uma relação emocional com a marca. Estamos na era do Marketing 3.0 será que ninguém percebeu isso?

        Curtido por 1 pessoa

  2. Eu acho que tem muita ativação beirando o nível da preguiça, ultimamente. Alguns patrocinadores, mesmo depois de algum tempo investindo continuam demonstrando uma falta de afinidade muito grande com o esporte.
    Também defendo que o patrocinado deveria apresentar opções criativas de ativação, já que dependem deste investimento para

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s