Cuidado com o Marketing de Emboscada

No mundo globalizado e com um cenário competitivo que exige dos profissionais de marketing e comunicação bastante coragem, audácia e uma certa dose de risco, a proximidade dos Jogos Olímpicos cai como um prato cheio para atingirem os seus consumidores de maneira emocional. Todos querem se aproveitar da grande abrangência e apelo do evento para “tirar uma casquinha” e levar para si algum tipo de vantagem competitiva.

O fato é que as grandes competições mundiais, organizadas por entidades sólidas e consistentes, e que possuem um rol de patrocinadores de classe mundial estabelece regras rígidas para quem pretende se associar a elas. E, como diz o outro, “ela é clara”. Neste caso, claríssima e bem simples de interpretar: caso não seja patrocinador oficial, não possui direito de utilizar nenhum elemento dos Jogos nem fazer qualquer tipo de menção a eles”. Ponto! Do contrário, configura-se “Ambush Marketing”, ou “Marketing de Emboscada”…também conhecido como “Marketing de Guerrilha”.

Mas como explicado no primeiro parágrafo deste post, é quase natural que os gestores tentem burlar essa regra e encontrar maneiras de agir. No mundo virtual em que vivemos e com a proliferação desenfreada do uso das mídias sociais, é difícil controlar tudo o que é publicado. No entanto saibam que há ferramentas de monitoramento e prevenção altamente eficientes que tem sido utilizadas de maneira conjunta entre o Comitê Rio 2016, patrocinadores e órgãos públicos para coibir ao máximo essa prática. Enfim, a fiscalização tem sido rigorosa e irá aumentar.

No entanto, os mais criativos e inteligentes conseguem escapar – justamente pelo brilhantismo de produzir materiais cujas mensagens situam-se na linha tênue do que pode ou não ser configurado como ambush. Outros – que só se acham espertos e criativos – são pegos e arcam com grandes prejuízos. Para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, por exemplo, essa prática foi criminalizada pela legislação brasileira. Muitos engraçadinhos estão respondendo na justiça até hoje…

Na história dos Jogos Olímpicos, há muitos e muitos casos, vários emblemáticos, de situações de “emboscada” realizados pelas mais diversas industrias e players. Elas vão desde publicar anúncios sarcásticos informando que “não podem mencionar o nome do maior evento esportivo mundial”, a empréstimo de produtos para atletas usarem livremente durante os treinos e competições. Uns se deram bem, outros se arrependem até hoje.

Ainda que a proteção contra o Ambush Marketing tenha o objetivo de garantir que a regra seja cumprida, o curioso é que muitas das restrições também se aplicam aos próprios patrocinadores oficiais! Ou seja, o rigor com o controle sobre o que é comunicado e veiculado é tamanho que se estende para aqueles que financiam e que tem todo o interesse de defender os interesses do evento.

Apesar de soar paradoxo, trata-se do correto para garantir que a isonomia dos Jogos se mantenha intacta! Mesmo sob ameaça constante…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s