Seleção de volta para o futuro!

Antes de ser um profissional de Marketing Esportivo & Comunicação, sou brasileiro e apaixonado por futebol. Cresci assistindo a seleção brasileira e, mesmo nos piores momentos, sempre fui um defensor do time canarinho. Até no videogame não abro mão de jogar com a amarelinha, que na minha opinião, é a melhor do mundo.

Acontece que nos últimos anos essa paixão – e acredito que muitos compartilham dela também – foi se perdendo. Muito em função dos resultados dentro de campo e da (falta) gestão de sua patroa para com ela.

Mas o meu maior incômodo sempre foi pelo fato de TODOS os jogos dela serem transmitidos por um único grupo de comunicação. Algo que não considero positivo, pois enviesa a opinião pública de acordo com os interesses específicos de quem comanda a transmissão. Nunca houve contraponto. Definiam como, onde e que horário a seleção deveria jogar e ponto.

Não entro no mérito do avanço comercial e financeiro que essa concentração pode ter trazido para a Confederação Brasileira de Futebol. Tem seus benefícios, é verdade. Mas discuto aqui os por quês um “bem nacional”, como entendo que a seleção brasileira é, deva estar à mercê de interesses específicos de  apenas um único império midiático.

Dito isso, entendo que a CBF fez um golaço ao finalmente expandir a exibição dos jogos do Brasil para outros players e novas plataformas. Independentemente do que esteja por trás desta decisão, fato é que ela denota avanço, modernização, inovação. Finalmente se mostrou conectada com a realidade atual da sociedade.

OK, são dois amistosos apenas. E jogados do outro lado do mundo em horários esdrúxulos. Mas é o começo. Poder assistir, de maneira legal, nossos craques pela internet, redes sociais e outros canais abertos de TV é importante. Afinal, é sempre bom ter opções. Aliás, será que eles irão ignorar esses jogos, como fazem quando não transmitem um evento?

E estou seguro que UOL, VIVO, TV Cultura, TV Brasil e outros saberão explorar comercialmente a propriedade. Isso porque esse modelo permite novas maneiras de ativações, abrindo espaço para ampliar a quantidade de anunciantes. Mesmo que isso não seja possível já, este é o caminho a seguir. Não se pode retroceder.

Por fim, sabemos que as amarras com a “dona” do futebol brasileiro ainda são grandes e duradouras, mas já temos aqui uma pequena demonstração de que é possível devolver o futebol brasileiro ao lugar de onde nunca deveria ter saído.

One comment

  1. Demorou, mas finalmente a mudança começou a aparecer. O fim do monopólio é mais do que necessário para o futebol brasileiro! Basta ver como os clubes se beneficiaram pela concorrência na tv por assinatura. Que a seleção e os clubes, ou seja, o futebol brasileiro, saibam aproveitar essa oportunidade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s